sexta-feira, 7 de abril de 2017

A tal da intensidade

Sempre fui adepto do “se joga” e acreditei que essa era a melhor forma de enfrentar a vida, e realmente é. Cansado de meias verdades e amores pela metade, sempre vivi de forma intensa, tentando tirar o melhor de mim e também das pessoas.

O problema é que ser intenso machuca.  E às vezes olho para aqueles que se doam pela metade, e me pergunto: “Mereço só isso?”. Racionalmente, a resposta é um leve e sonoro Não. Mas as coisas não são tão simples assim.

Não é sempre que encontro alguém que quero estar, viver e crescer ao lado. Mas preciso aprender que a vida não gira ao meu redor, e apesar de ficar feliz em fazer a minha parte, machuca muito saber que o meu máximo nem sempre é o suficiente.

Então eu me pego pensando em que em um mundo alternativo, exista alguém capaz de se doar para mim e me fazer feliz. Enquanto isso não acontece, vou destruindo meu coração, cada dia um pouco mais. 

Nenhum comentário: